domingo, 18 de dezembro de 2016

Sol da noite


         Hoje, especialmente hoje o céu está lilás escuro, agora são 00:00 a lua está quase a pina, estou sentada na varanda maravilhada de como a luz da lua está parecida com a do sol, é na verdade o sol da noite, mas há nuvens e estrelas no céu, ouço o barulho do mar agitado é noite de lua cheia afinal.

         Há um anel branco envolta da lua, um halo esplêndido, especial. Consigo enxergar também pequenos pontos cinzas dispersos na grande lua, ouço grilos cantando, o barulhos das folhas das arvores oscilando devagarzinho passando com um sussurro em meus ouvidos, eu anseio ver as ondas do mar, o modo como ficam agitadas com a presença da lua cheia. O céu está tão claro que não parece noite, me deleito ao observar, a ouvir, a pensar.

Inspiração do dia 13/12/2016 para Wagner Bruno de Mello Souza


terça-feira, 4 de outubro de 2016

Alegria


Observar o cair silencioso e ensurdecedor da chuva lá fora. Eu só queria te abraçar agora. Cheio de curvas o mar não para, nunca parou, entretanto o coração sim. Respira a natureza, livre finalmente voa como um pássaro, agora todos podem ouvir seu canto, repousa, pousa em nossa janela. Volta a natureza, sempre a nos observar, as nuvens estão tristes, mas a natureza feliz está.


Homenagem ao João Maria, sempre alegre, assobiando para os passarinhos, de bem com a vida.

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Notas sobre o mar



Por um filtro vejo o azul escuro do mar, sua água gélida indica a estação do ano. Água calma, mansa, silenciosa. O grande mar nunca esteve tão traiçoeiro. Nuvens estão concentradas na linha do horizonte do mar. Há possas de agua em todo canto, nelas vejo por agora o céu azul que vem por debaixo de grandes nuvens cinzas. O ritmo o qual me encontro, desencontro do mar azul acinzentado, a natureza em constante movimento, os raios solares infiltram-se na agua salgada e mais densa que o ar. E agora percebo um ligeira mudança, estar em um movimento constantemente rápido me permiti observar um mar azul claro, e por consequência nuvens brancas na linha do seu horizonte. Já no vejo mais o grande mar, apenas o inconstante céu, ora azul claro, ora azul acinzentado.

sábado, 9 de julho de 2016

Pintura celeste


“Vi feixes de luz solar entre nuvens num belo entardecer de inverno. Descrevo-os como forma de expressar um sentimento de prazer e gratidão. Parecia uma pintura, é como se o tempo estagnasse, pois algo chamou a atenção, pelo menos a minha atenção. Cada feixe de luz era lilás saindo de traz das montanhas, as nuvens faziam o papel perfeito de encobrir, mas não completamente o belo sol. O céu na linha do horizonte no mar era de um azul celeste, a cada instante tudo modificou-se tão rapidamente, era lilás, e mal percebi, minutos depois a rua ja estava escura dando lugar a grande pequena lua.”

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Um olhar sobre a vida


O hoje é tão imprevisível quanto o amanha. Hoje o céu está azul, amanha pode não estar. Grandes coisas, surgem de pequenas coisas, o grandioso é um processo que se constrói, ideias e criatividade é inspiração, é saber observar, é crescer, é fazer.

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Um raiar de sol


A nova estrela da manha aparece, vejo no azul do céu ainda meio escuro pequenos fragmentos de luz, a espera não é tão longa, pois logo em seguida vejo, creio eu um semicírculo pequeno surgindo no horizonte do imenso mar, misturas de cores posso ver, de um alaranjado transformando-se em amarelo.
Como não observar atentamente os detalhes?
Posso assim dizer que meus olhos já surpreendidos pelo belo amanhecer, sorriem em troca, como um equilíbrio, entre a natureza e o ser humano, um certo tipo de conexão entre o belo e o que somos, e o que vemos e o que observamos.

Minha autoria 31 de agosto de 2015

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Panos de seda


O poder da verdade, encoberta entre panos de seda, panos rasgados pelo tempo de uso, quando será que a simples sutileza das verdades verdadeiras irão florescer? A opressão, o medo e a cautela sempre são companhia de um desajeitado e normal cidadão da sociedade. Quão forte é um pesadelo em emaranhados de mentiras? Amanha sempre é um novo dia, a não ser que aconteça um eclipse solar, o sol vai nascer e clarear a terra, aqui no meu caso de leste a oste, do mar as montanhas. Porventura não és tu que esta a se esquecer de sorrir? Para longevidade: bondade e gentileza, primórdios em relações culturais e interculturais. Para os que desistiram tornam-se  rudes e bárbaros, a frieza, e as queixas destroem, separam e não geram laços, mas talvez para quem as observa pode ser um ponto de esperança e é aí que tudo muda.

Minha autoria